Conheça a Rússia

A Rússia fica situada na parte oriental da Europa e na parte norte da Ásia, somando um território de mais de 17 milhões de quilômetros quadrados. O país faz fronteira com outras 14 localidades e tem um clima bastante diversificado. Há desde o subtropical, na costa do mar Negro, até o continental na Sibéria meridional, e ártico no Norte Extremo. A maior parte do país, no entanto, fica na zona do clima moderado.

Na maioria das regiões o frio dura de quatro a cinco meses. Em Moscou a temperatura pode alcançar os -30ºC no inverno. Mas o verão na maior parte da Rússia é quente, agradável e de muito sol.

A Rússia tem 11 fusos horários, que variam de +2 horas de GMT (Tempo Médio de Greenwich) no extremo ocidental até +12 horas no extremo oriental. Os fusos de Moscou, São Petersburgo e Kursk são +3 horas GMT (cerca de seis horas de diferença em relação ao horário de Brasília no Brasil).

A Federação da Rússia compreende um total de 85 unidades federais, entre as quais 21 repúblicas, oito territórios, 48 regiões, cidades federais de Moscou e de São Petersburgo, uma região autônoma e seis circunscrições autônomas. Entre as maiores cidades da região em número de habitantes estão, além de Moscou, São Petersburgo, Novosibirsk, Nizhny Novgorod, Ekaterinburgo, Samara, Omsk, Tcheliabinsk, Kazan, Perm, Ufá, Rostóv-na-Donú e Volgograd.

A Rússia tem hoje uma população de cerca de 146 milhões de habitantes. A maior parte deles (80%) é russa (eslavos), mas há mais de 100 povos e grupos étnicos registrados no país. Os mais numerosos são ucranianos e tártaros, com destaque também para arménios, azerbaijanos, casakhes, judeus e alemães. A língua em todo o território da Federação é o russo e a unidade monetária padrão é o Rublo.

  • 1 a 5 de janeiro – Férias de Ano Novo
  • 7 de janeiro – Natal (ortodoxo)
  • 23 de fevereiro – Dia do Defensor da Pátria
  • 8 de março – Dia Internacional das Mulheres
  • 1 de maio – Festa da Primavera e do Trabalho
  • 9 de maio – Dia da Vitória
  • 12 de junho – Dia da Rússia
  • 4 de novembro – Dia da Unidade do Povo

 

A cultura da Rússia é muito rica e reconhecida pelos quatro cantos do planeta, seja por meio de expressões artísticas – como dança, pintura, literatura e artes dramáticas –, gastronomia, arquitetura ou artesanato. 

Durante um período de sua história, o país teve contato com a arte bizantina, o que inspirou obras com ornamentos e mosaicos. Com o passar dos anos, o povo foi descobrindo sua originalidade e, apesar de certos traços estrangeiros, começaram a apresentar uma arquitetura nacional. A Igreja da Intersecção da Santa Virgem no Nerl, construída em 1165, é um belo exemplo disso. Outros traços originais também são encontrados na Igreja da Ascensão do Cristo em Kolomenskoye, Moscou, na famosa Catedral de São Basílio, também em Moscou, e nas igrejas de madeira em Kizhi.

Na pintura, um dos principais ícones russos é Andrei Rublyov (1360-1430), responsável pelas principais igrejas de Moscou – a Catedral da Anunciação do Kremlin de Moscou, a Catedral em Vladimir e a Catedral de Trindade. Seu trabalho mais famoso, “A Trindade”, está entre as maiores obras de arte criadas pela humanidade. Já na literatura, se destaca o poeta Alexander Pushkin, precursor de estrelas nacionais como Dostoiévski, Tolstói, Chekov e muitos outros. Na música, o compositor Mikhail Glinka assinalou o início da grande era das canções russas, com nomes como Rakhmaninov, Stravinsky, Prokofiev e Shostakovitch.

Os pequenos teatros russos deram o primeiro passo para a formação da escola russa de artes dramáticas, que acabou por formar nomes como Stanislavsky, Nemirovich-Danchenko, Meyerhold, Mikhoels, Vakhtangov e muitos outros proeminentes diretores. Sergei Eisenstein e o seu famoso “O Encouraçado Potemkin” marcaram o início da fama mundial do cinema russo. Depois de ter estudado o balé dos franceses e de outros estrangeiros, o Teatro Bolshoi de Moscou e o Teatro Mariinsky em São Petersburgo passaram a dominar esta arte, sendo reconhecidos pela sua perfeição em todo o mundo.

As obras da arte popular russa são capazes de contar muito sobre o caráter nacional, sobre a história do país e sobre o ideal popular da felicidade e da beleza. São mais de 200 tipos de indústria da arte aplicada e de artesanato em todo o território. Nas regiões florestais desenvolveu-se o ofício de torno, entalhadura em madeira ou casca de bétula. Nas áreas ricas de argila gorda, nasceu a arte cerâmica. Nas regiões do norte da parte europeia da Rússia, apareceu a arte de renda. A região de Ural, zona de reservas naturais de ferro e de pedras semipreciosas, é famosa por sua arte de fundição e decoração.

Quando falamos em artesanato, a lembrança mais famosa da Rússia é a Matrióshka, boneca pintada de várias cores brilhantes que, por dentro, possui várias outras bonecas, cada uma menor em tamanho, cabendo umas nas outras. Foi inspirada no boneco japonês – sábio budista Fukurumo e, poucos anos após sua primeira aparição, que data de cerca de um século, já estava representada na Exposição Internacional de Paris, onde ganhou medalha e reconhecimento mundial. Tradicionalmente, a Matrióshka é uma camponesa. Contudo, os artesãos de hoje, seguindo as tendências políticas e de mercado, inventaram uma versão mais atualizada da boneca, talhando figuras políticas e estatais do século XX.

Artesanato típico também é a cerâmica Gzhel, que traz o nome da aldeia Gzhel na região de Moscou. Canecas e brinquedos têm um desenho original em dois tons de azul sobre um fundo branco. O desenho Jostovo, cujo nome vem de uma aldeia perto da cidade de Mytishi, também na região de Moscou, é apresentado nas bandejas metálicas, cobertas com tinta, óleo e depois de verniz, com flores e frutas de cores brilhantes em fundo preto.

As miniaturas Palekh vêm da região da cidade de Ivanovo, com a pintura têmpera sobre cartão-pedra envernizado com cenas da vida cotidiana pintadas em caixas ou baús, ou motivos literários, históricos ou religiosos pintados em cores brilhantes em fundo preto. Essa arte tem sua origem no velho ofício de pintar ícones.

A pintura Khokhloma vem de uma aldeia na região da cidade de Nizhny Novgorod. Surgiu no século XVII e, desde então, foi pouco alterada. É caracterizada por objetos de madeira (colheres, utensílios de mesa, etc.), decorados com um desenho floral, delicado, nas cores vermelho, preto e dourado.

A história da Rússia e seu vasto território influenciaram a culinária local, que mescla traços da cultura europeia e oriental, somados às heranças das antigas repúblicas soviéticas. É uma cozinha simples e saudável, sem sofisticação, na qual o sabor agridoce predomina. Poucos legumes e vegetais são servidos crus e as sopas introduzem os pratos principais.

Em relação às proteínas, se destacam as carnes de porco e carneiro, assim como as aves e peixes. A batata é um dos ingredientes favoritos, utilizado de diversas maneiras. Pão e ovos complementam muitos pratos. Outros alimentos muito comuns são os pepinos, geralmente em conserva, cogumelos, cenoura e repolho.

A Rússia é um país de coexistência pacífica de várias religiões, e não há nenhuma preferida pelo Governo. Contudo, a maioria dos fiéis é cristã ortodoxa, que acredita num único Deus que é ao mesmo tempo três e um: o Pai, o Filho e o Espírito Santo, “um em essência e indivisível”.

Além dos ortodoxos e discípulos das seitas derivantes da ortodoxia, vivem na Rússia seguidores de outros rumos cristãos. Significativamente menores em número, há católicos (subdivididos nos de cerimonial latino e nos de cerimonial grego) e protestantes (com representantes do luteranismo, calvinismo, mennonitismo, baptismo, pentecostismo e adventismo). Há ainda discípulos do budismo, do shamanismo, do cultismo de tribos e de ofício, além de judeus.

Atrás da ortodoxia em número de discípulos na Rússia está o Islamismo, com cerca de 13 milhões de fiéis.